O Word e PowerPoint no suporte da aprendizagem online

Partilho mais duas ideias, desta vez da professora Ondina Espírito Santo. O Word no apoio aos alunos com dificuldades na leitura e o PowerPoint no apoio a professores para produzirem os seus tutoriais de apoio aos alunos.

O Word

O processador de texto Word tem no seu friso duas opções interessantes. O Leitor e o Ditar.

No friso o separador REVER tem a opção Ler em Voz alta.
No friso o separador BASE tem a opção Ditar.

O tutorial produzido pela professora pode ser visto aqui.

PowerPoint

O PowerPoint pode servir mais do que simplesmente criar uma apresentação. Se necessita de criar um tutorial ou capturar o ecrã do seu computador também tem essa opção. O vídeo seguinte explica como.

Facebook - Inicia sessão ou regista-te

Conheça outras partilhas de ideias e tutoriais no eLearning – Apoio no Facebook.

Espero que vos seja útil!

Conheça ainda os formulários e o programa e torne-se num Microsoft Innovative Educator.

O OneNote a Português, um exemplo de aplicação

E porque pretendo partilhar dicas úteis para o uso de ferramentas educativas que possam apoiar os alunos nesta fase de e-Learning apresento-vos um vídeo realizado pela Mieexpert Ana Paula Loureiro, sobre a forma como utiliza o OneNote e como estruturou a sua disciplina.

É uma partilha excelente onde podemos observar a integração do OneNote no Microsoft TEAMS.

Conheça outras partilhas de ideias e tutoriais no eLearning – Apoio no Facebook.

Espero que vos seja útil!

Conheça ainda os formulários e o programa e torne-se num Microsoft Innovative Educator.

The answer of Portuguese teachers to educational COVID-19 crisis… we are already 21,000!

“At a time like this we need to be united, calmy and share all possible support to all colleagues.”

e-Learning – apoio

On March 13th, the world was already experiencing the nightmare caused by something tiny and invisible and that was going around the world. On that day, the Portuguese authorities ensured the continuity of having open schools and the prospect of teachers continuing to work with their students in the classroom. It was Thursday, at the end of the day, everything changed. In a communication to the nation, the temporary closure of all educational establishments is announced. Between certain measures and words of courage and hope, students and teachers were advised that this does not mean “you are on vacation”. Despite possible interpretations of this context, it is not the objective of this text to address this issue.

During the weekend after the announcement, the nightmare began for the teachers. Some who are more comfortable than others in the use of technologies, were asked that everything needed to change. Everyone would start remote working, within a distance. This proved to be a terror for many. We began to hear complaints from parents for over-sending tasks and homework, the impossibility of being able to combine their working lives with their children’s work and others with limitations in access to technology. The teachers tried everything, because they were asked for a herculean effort, to change their praxis. Many without recourses to technology, others for not being in favour of this implementation in the school context and many others who have always believed in this power and the support they could give.

Continue reading “The answer of Portuguese teachers to educational COVID-19 crisis… we are already 21,000!”

Torne-se num Microsoft Innovative Educator

Pelo nome parece complexo e difícil obter esta certificação, mas ficarão surpreendidos! Não é nada complexo, para quem tem vontade de aprender. Vamos ver passo-a-passo como registar e regatar os códigos que lhe poderão dar Certificados e Badges. Simples, 1…2…3!

Passo 1 – Registar no site https://education.microsoft.com/pt-pt

Passo 2 – Escrever o seu email e autorizar!

Passo 3 – Escolher o curso e depois de concluído resgatar o seu código.

Esta é a página de entrada da Microsoft Education Community.

E agora a questão é a seguinte: fizeram a pequena formação sobre o Forms do Office365?

-> Se ainda não o fez, clique aqui para saber mais, são 20 minutos.
-> Se já experimentou o Forms, faça Redeem Code: T-JMB6A5A20

Para ativar o código no seu perfil , clique na sua imagem de perfil e escolha Resgatar o código de conquista.

Continuar a ler

Depois do coronavírus, a escola nunca mais vai ser a mesma – Entrevista

Uma breve opinião de vários professores sobre a revolução que está a acontecer no ensino. Vítor Bastos, Paula Vaz e José Carlos Marques (ler a notícia completa aqui)

“O e-learning não é fazer fichas

José Marques tem 41 anos, é professor de Matemática há 15, e usa a tecnologia desde sempre. Esteve os últimos quatro anos nos Pupilos do Exército a criar um projeto de ensino tecnológico da Matemática e está agora a fazer o mesmo no Agrupamento Pedro Jaques de Magalhães em Alverca, só com turmas de 5.º ano.

Na escola pública onde trabalha, é preciso ter a sorte de aceder a uma das duas salas de informática equipadas com computadores para poder recorrer ao ensino digital. E isso nem sempre é fácil, porque muitas vezes estão ocupadas com aulas de Tecnologias da Informação ou são requisitadas por professores. Mas José Marques tem conseguido pôr os alunos a aprender Matemática com um bloco de notas #OneNote, com o qual fazem de forma autónoma sequências de tarefas, que depois podem complementar ou rever em casa. Está, como o próprio diz, “a lançar a semente” do uso de tecnologia em sala de aula.

Não se pense que tudo o que faz envolve computadores. Os exercícios que leva para a sala de aula incluem tampas de garrafas e torres de esparguete. “Alunos motivados é meio caminho andado”.

Parece estar a ter bons resultados. “Consegui fazer com que Matemática fosse a disciplina favorita dos miúdos e tenho feedback positivo de alguns encarregados de educação. Ainda ontem recebi o mail de uma encarregada de educação que diz ver no filho uma maneira diferente de trabalhar e me queria agradecer por isso”, conta à SÁBADO.

Com esta experiência, José Marques não se assustou quando soube que a covid-19 ia obrigar a ensinar à distância. Mais: o professor quer “que não se perca” a verdadeira revolução que esta pandemia está a trazer às escolas. “Isto pode ser o primeiro passo para uma mudança de pensamento”, nota o docente que tem visto no grupo de apoio no Facebook “muitos professores a investir tempo, muita gente a querer aprender” a usar ferramentas de ensino digital.

Com um mestrado em e-learning, José Marques avisa, no entanto, que boa vontade não chega. “Muitos professores estão a mandar muitas fichas. O e-learning não é fazer fichas. Fazer fichas não é estimulante. Tem de ser um trabalho diferente e falta formação aos professores”. 

Também falta tecnologia às escolas públicas, mas José Marques está a tentar dar a volta a isso, com a candidatura de um aluno ao orçamento participativo jovem para comprar tabletes para todos, num esforço que pretende também reduzir o peso das mochilas que todos carregam para a escola. E confessa estar “à procura de parceiros”  em empresas para tornar realidade estas ideias.

Esta semana, tem acompanhado os alunos à distância. “Eles têm tarefas para fazer, respondem a formulário e têm uma correção automática com explicação para erro. Outros exercícios corrijo eu porque são de desenvolvimento”. Num dos trabalhos, teve  70% de alunos a responder. Num meio que caracteriza como “de classe média”, diz que terá cinco casos sem internet em 60 alunos.

Na semana que agora começa o desafio vai ser dar formação à distância aos colegas para garantir que as reuniões de avaliação do segundo período, que estão quase a começar, se fazem por videoconferência. “Vamos usar o Microsoft Teams e podemos fazer as reuniões com um telemóvel, um computador ou tablete. É preciso é que tenha microfone”, afirma.

Ler a notícia na íntegra aqui.


Conseguiram chegar aqui? Como está a decorrer na vossa escola? Com cada um de vós? Fica o meu pedido para partilharem a vossa experiência.

PAFC – Projeto de FLexibilidade (II)

Decorreu esta semana (12 a 14 de novembro) no Instituto dos Pupilos do Exército a primeira semana do Projeto de Autonomia e Flexibilidade. Sendo um dos elementos convidados da equipa, para este ano, e em colaboração com as professoras Alexandra Gonçalves, Isabel Couto e Paula Monteiro, ficámos responsáveis pela implementação dos normativos sobre a temática.
Os desafios foram vários, mas foi impressionante a forma como todos os professores do segundo e terceiro ciclo, pais e encarregados de educação e a Companhia de Alunos do Instituto se mobilizaram para que esta semana fosse um sucesso.
É lema desta escola “Querer é Poder” e todos nós quisemos que esta semana fosse um ponto de mudança e de partida para novos e grandes desafios.
Tal como divulgámos, o tema aglutinador é: “Lisboa está na moda!”. Tivemos portanto uma comunidade educativa em ação, a colaborar, cheia de criatividade e iniciativas! (Clique no vídeo e conheça numa apresentação genérica o projeto).

(Vídeo de apresentação)

Partilho convosco um pouco dos desafios colocados à Matemática do 2º ciclo. Pirâmides Alimentares foram a base do jogo que os vários grupos de alunos tiveram de planificar e criar. Com a ajuda do Minecraft, as perguntas e respostas, o criar labirintos e programar foram a base para trabalhos que superaram as expectativas. Mas tivemos mais, engenheiros criadores de modelos da calçada portuguesa.

A Realidade Virtual foi outro dos motes. Com a aquisição de uma máquina de 360º os alunos visitaram vários espaços e criaram percursos virtuais que futuramente serão trabalhados e publicados como forma de visitar e conhecer Lisboa. Com os óculos de realidade virtual tudo ficou muito mais interessante e desde já agradecemos à Microsoft a cedência dos mesmos. Mas ainda não ficámos por aqui.

Os doces tradicionais também estiveram na ementa. Com um Skype in the Classroom falámos com a especialista, Rosângela Xavier, da Tempus Gulosos, para dar umas dicas para algo que não poderei divulgar, mas que estará para breve.

Muitas ideias, muitas interações e algumas questões: “onde começou a matemática?” ou “onde acabam as ciências?” foi difícil de dizer mas isto é mesmo assim o conhecimento é transversal e anda por aí.

Mais novidades em breve!

Projetos de flexibilidade – Matemática com Arte (I)

Apesar deste ano ser o ponto de partida para muitas escolas no projeto de Autonomia e Flexibilidade Curricular no último ano no Instituto dos Pupilos do Exército já se realizaram vários projetos que envolviam a autonomia, a capacidade de resolver situações e a pesquisa. Deitando por terra a ideia de que as aulas estão fechadas dentro de um espaço, estes projetos bebem da visão de que o conhecimento é transversal e não tem limites. Esta filosofia de trabalho foi aquela que sempre defendi pois na vida é exatamente isso que nos desafia constantemente. 

Matemática com Arte

A arte e a matemática estão de mãos dadas. Os azulejos foram o ponto de partida para as construções. Reflexão central,  reflexão axial e  rotações.
A arte, a criatividade e o gosto de criar, foram o mote de partida para abordar o tema que é tão complexo que foi trabalho em parceria com a professora Carla Costa de Educação Visual.

No âmbito do tema “Geometria e Medida – Isometrias no plano”, os alunos do 6º ano de escolaridade começaram por estudar os diferentes tipos de isometrias. De seguida saímos da sala de aula e fomos observar, analisar e compreender as isometrias nos azulejos existentes no espaço escolar. Numa folha de papel começaram a desenhar e com o método do decalque criaram as rotações e reflexões. Posteriormente passámos ao digital e no computador, com maior precisão deram largas à imaginação com recurso ao AtrMini (Atractor). 

Rotação – Produção geométrica Manual
Rotação – Produção geométrica com recurso ao AtrMini 

Designer de caixas

Um designer tem de compreender como são construídas as caixas e a matemática dá uma ajuda. Foi uma aula com muitas caixas de produtos do dia-a-dia e foi dia de as decompor. Áreas, perímetros e figuras geométricas foram os conceitos trabalhados.

Os alunos foram colocados no papel de Designers. Como construir uma caixa? Passos a seguir? Este foi o ponto de partida. No âmbito do tema “Geometria e Medida – Perímetros e Áreas de figuras geométricas”, os alunos do 5º ano de escolaridade começaram por estudar caixas de diferentes produtos do dia-a-dia. Desmontaram, mediram, calcularam e perceberam como são feitas as diferentes caixas. De seguida foram para o computador e em grupo planificaram as caixas. Foram impressas em papel e construídas. Houve erros e melhorias a fazer, mas essa é a razão principal, fazer, testar e melhorar.

Brevemente outros projetos!

Poderemos dar sabor à Matemática?

Ensinar matemática é um grande desafio para qualquer profissional. Incutir o gosto por esta disciplina resulta num trabalho e numa luta constantes por forma a que os desafios que a matemática apresenta sejam ultrapassados. Mas como é que nós, professores, lidamos com tal situação? Como ajudar a desenvolver o gosto pela matemática? Como terminar com a ideia da Matemática ser um bicho de sete cabeças?

Os desafios são evidentes mas são isso mesmo, desafios que diariamente tentamos ultrapassar. Nesse sentido é intenção desenvolver e implementar estratégias de trabalho que, em primeiro lugar, envolvam os alunos em todo o processo, que tenham a liberdade de desenvolver as suas capacidades de acordo com os desafios lançados e desenvolvam a sua capacidade de pensar e resolver problemas. Mas como poderemos fazer?

Partilho aqui algumas experiências de trabalho implementadas nas aulas de Matemática aos alunos do 5º e 6º ano do Instituto dos Pupilos do Exército.

Para começar nada como falar do projeto “Matemática Al Dente”. Foi o primeiro grande desafio do segundo período. Os objetivos, variavam entre construir a torre mais alta que suportasse um Marshmallow no topo, para os quintos anos e a ponte mais comprida que suportasse o marshmallow no centro, para os sextos. Divididos em grupos, os alunos começaram por projetar as ideias no papel e, com o material disponível, começaram a desenvolver os projetos apresentados. Os resultados surpreenderam em especial algumas das pontes apresentadas. A criatividade foi essencial nestes projetos, tal como o trabalho em equipa. Mas que capacidades matemáticas estão inseridas aqui? Na realidade muitas, desde a compreensão de que as bases das torres teriam de ser pirâmides triangulares ou quadrangulares, até à importância dos triângulos na construção dos projetos das pontes. Continue reading “Poderemos dar sabor à Matemática?”

Dia Mundial da Água – Reflexões

Dia Mundial da Água | 22 de março 2018 (1)

Comemorou-se, hoje, no IPE, o Dia Mundial da Água. Com o lema “H2O é Poder”, realizou-se uma atividade transdisciplinar com a água como tema, que decorreu em dois momentos distintos: um plenário com “Skype in the classroom” e um “Peddyphone” usando a aplicação Forms e QRcode.

O público alvo foram os alunos dos quintos e oitavos anos e o objetivo principal foi sensibilizá-los para a importância da água como recurso natural limitado. Pretendeu-se, assim, consciencializar os alunos para a problemática da escassez da água em Portugal e no Mundo e para a necessidade de poupança dos recursos hídricos. A água é uma matéria prima essencial à nossa sobrevivência e à qualidade de vida, que deve portanto ser usada de forma sustentável. Esta é a única maneira de garantir que as gerações atuais e futuras dela possam beneficiar. Durante o plenário, foram exploradas notícias da comunicação social sobre a escassez de água na Cidade do Cabo e sobre o trágico número de incêndios verificados em Portugal no ano de 2017. Os alunos tiveram oportunidade de, através do skype, conversar em inglês, com uma professora que vive na Cidade do Cabo, na África do Sul, a quem colocaram questões relacionadas com o problema da água e da sua escassez. Continue reading “Dia Mundial da Água – Reflexões”