Módulo 3 – Métodos, instrumentos e recolha de dados

(…) a formulação de um problema de investigação consiste em desenvolver uma ideia através de uma progressão lógica de ideias, de argumentos, e de factos relativos ao estudo que se deseja empreender. (…) A problemática de investigação deve ser definida em função das necessidades, interesses, valores e constrangimentos que se manifestam na experiência (…) do investigador.

Vaz Freixo (2009, p.157)

Neste módulo fomos levados a:

  • Identificar características nucleares de diferentes métodos, instrumentos e técnicas de recolha de dados empíricos, sua construção, aplicação e análise.
  • Organizar, comunicar e partilhar os resultados da investigação com a comunidade científica.

De acordo com o analisado, para a consecução de um projeto de investigação/estudo, temos de ter em conta:

  • Problema de partida;
  • Natureza do problema;
  • Paradigma de investigação;
  • Questões de investigação;
  • Objetivos de investigação;
  • Instrumento de recolhas de dados;
  • Plano de análise e;
  • Resultados esperados.

Para abrir a apresentação, clicar sobre a imagem.

Na sequência Problemática –> Planeamento –> Execução temos então em cada fase: 

Segundo Anderson (2011) as abordagens à investigação podem ser:

  • Abordagem quantitativa (positivista)
  • Abordagem qualitativa (relativismo)
  • Abordagem crítica
  • Abordagem da Metodologia de desenvolvimento (Design-based research)

A perspetiva naturalista tenta compreender os processos, compreender quem, o quê, porquê, como, etc. A Própria investigação e recolha de dados pode influenciar. É indutivo visto que se parte do real para chegar às conclusões.

A recolha de dados é outro processo inserido numa investigação e depende do tipo de investigação:

Para a análise de cada um dos tipos de estudo, remete para outra página do APA. (Tipos de investigação).

Técnicas de recolha de dados

Na análise qualitativa devemos ter em atenção à recolha de dados. Na recolha, podemos ter diferentes interpretações da mesma situação, por esse facto existem estratégias que permitem credibilizar a investigação. A este processo chama-se de validação. A validação pressupõe os seguintes critérios:

  • Valor de verdade
  • Aplicabilidade
  • Consistência
  • Neutralidade

 

Leituras importantes & Sugestões de leitura 

  • Coutinho, C., & Chaves, J. (2002). O estudo de caso na investigação em Tecnologia Educativa em Portugal. Revista Portuguesa de Educação, 15(1), 221–243.
  • Coutinho, C. P. (2006). Aspectos metodológicos da investigação em tecnologia educativa em Portugal (1985-2000). Actas Do XIV Colóquio AFIRSE, 1–12. Retrieved from http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/6497
  • Günther, H. (2006). Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: esta é a questão? Psicologia: Teoria E Pesquisa, 22(2), 201–209. https://doi.org/10.1590/S0102-37722006000200010
  • Almeida, L., & Freire. (2003). Revisão Bibliográfica. In Metodologia de Investigação em Psicologia e Educação (pp. 42–43).
  • Almeida, L., & Freire. (2003). Texto 4 – Problema, Hipóteses e Variáveis. In Metodologia da Investigação em Psicologia e Educação (pp. 35–72).

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *